Umbuzeiro Online

Política,polícia,esporte,geral,cidades,brasil,mundo,

“O pior dos cenários para educação e para a saúde é a situação atual”, afirma Mendonça Filho


​Em entrevista à Rádio Jornal, o atual ministro da Educação, o pernambucano Mendonça Filho (DEM), defendeu uma das polêmicas sobre o pacote econômico do presidente interino Michel Temer (PMDB): a estabelecer um teto para despesas públicas, que, se a medida for aprovada, só poderão crescer com base na inflação. “Movimentos sociais vinculados ao PT, as viúvas do PT, ficam propagando notícias inverídicas com relação a esse assunto. O teto é geral e pode, dentro do teto geral, crescer a educação”, explicou o ministro.

Mendonça Filho avaliou que o momento de recessão é prejudicial aos investimentos na área. “O pior dos cenários para educação e para a saúde é a situação atual”, atacou. O pernambucano defendeu que é necessário reequilibrar o orçamento e retomar o investimento a partir do crescimento econômico do País. “Se o Brasil não voltar a crescer, não adianta.”

O ministro afirmou que a sua gestão terá como base a racionalização dos recursos. Citando o custo do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) para o pagamento de taxas bancárias, de R$ 1,3 bilhão, segundo ele, criticou o modelo de gestão do governo da presidente afastada Dilma Rousseff (PT), que tinha o também petista Aloizio Mercadante na pasta. “O custo para banco é absurso. Vou converter isso em mais bolsa para os alunos”, prometeu.

Mendonça Filho justificou também que desfez o contrato com a Cebraspe, que prestava serviços na aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) por causa dos custos. De acordo com Mendonça Filho, era de R$ 8 milhões apenas por alguns serviços realizados em parceria com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e passou para R$ 2,9 bilhões para terceirar quase todo o serviço. “Mandei suspender. Não assino e não assinarei porque acho um absurdo. Fosse eu é porque estaria privatizando o Inep, mas como era o PT.”

Mendonça Filho defendeu o foco do ministério em ações para a primeira infância, através de estímulos para os municípios investirem em creches e na pré-escola. Uma bandeira do ministro é a alfabetização das crianças aos 6 anos de idade. “Educação infantil é fundamental”, afirmou.

Questionado sobre o investimento para as universidades públicas, afirmou que elas o prestígio necessário “dentro das limitações orçamentárias”. Além disso, voltou a apontar que, através do Fies, houve um grande crescimento de instituições privadas no governo Dilma. “A maior explosão foi em 2014 coincidentemente, entre aspas, porque foi o ano da eleição”, disparou. “As unidades privadas terão uma regulação séria, transparente”, prometeu ainda.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em maio 27, 2016 por .
%d blogueiros gostam disto: