Umbuzeiro Online

Política,polícia,esporte,geral,cidades,brasil,mundo,

Empresários são condenados por trabalho análogo à escravidão no Cariri


​Dois empresários proprietários de uma empresa de mineração no município de Boa Vista, no Cariri paraibano, foram condenados a prisão e ainda vão ter que pegar multas por manterem 30 funcionários trabalhando em condição análoga à de escravidão. Os empresários, pai e filho, administraram uma construtora e mineradora. A sentença foi divulgada pelo Ministério Público Federal (MPF) nesta sexta-feira (15) e um dos dois condenados deve cumprir a pena em regime semiaberto, enquanto o outro terá a sentença revertida em pena alternativa.

Segundo o MPF, as condenações foram embasadas pelo crime previsto no artigo 149 do Código Penal, por 30 vezes, pela quantidade de pessoas lesadas e nos termos do artigo 70, do mesmo código. Segundo relatório feito por auditores-fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego, a partir de fiscalização, foram constatadas irregularidades que denotaram a situação degradante dos trabalhadores em relação a água para consumo pessoal, alojamento, condições sanitárias e de higiene, alimentação e condições de trabalho. Os direitos trabalhistas também não eram respeitados.

Segundo o MPF, George Luis Arruda, diretor industrial e responsável operacional pelas atividades extrativistas da empresa, foi condenado a 4 anos, 1 mês e 15 dias de reclusão, em regime semiaberto, além de R$ 45.900 de multa. Já o pai de George, Marcelo Renato Arruda, foi condenado a 3 anos, 5 meses e 7 dias de reclusão em regime inicial aberto, além de R$ 191.250,00 de multa.

Conforme a Justiça, por Marcelo Arruda ter 75 anos, pela pena não superar quatro anos, o crime não ter sido cometido com violência ou grave ameaça à pessoa, e o réu não ser reincidente, foi reconhecido na sentença que é suficiente a “imposição de penas alternativas para os fins de ressocialização e prevenção da prática de novas infrações”.

De acordo com o MPF, a pena privativa da liberdade foi substituída por prestação de serviços à comunidade ou a entidades públicas, na forma e condições a serem fixadas pelo Juízo da Execução Penal, na proporção de hora de serviço para cada dia de condenação.

G1

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em julho 16, 2016 por .
%d blogueiros gostam disto: